Acidente no pouso - Análise técnica

April 9, 2015

         
          Uma área de pouso grande e aparentemente tranquila, mas durante a aproximação a vela acaba com um colapso e o piloto com varias fraturas. Com atenção dobrada pode se evitar um acidente como este. Vamos analisar alguns detalhes.
 

 

Fatos:
  • Data: Ano 2012
  • Experiência-piloto: Um ano e cerca de 30 horas de voo.
  • Parapente: Gradiente Godenn 3
  • Certificação Parapente: EN B, LTF 1-2
  • Vento: 15 kmh de travez cerca de 30-45 °
  • Condições de voo: Dia com boa atividade térmica

 

 Foto da área de pouso.

 

        Acidentes sempre acontecem por um acúmulo de fatores, não vamos exaltar o acidente, mas para troca de esperiencias e conhecimento, podemos todos juntos aprender um pouco mais.

 

      O primeiro fator a considerar é que o piloto decidiu pousar ao longo da crosswind (vento travez), em vez de alinhar contra o vento, mas na diagonal com vento contrário. Isto ocorreu muito mais perto da área de árvores e o piloto foi exposto a turbulência produzida por elas. Ele poderia ter evitado esta área sem quaisquer problemas tinha altura para escolher.

 

 Crosswind ( vento de travez) e pequeno rotor atrás das árvores

 

       

 O piloto desacelera durante o pouso.

 

O próximo fator é que, durante a subida produzido por uma pequena térmica de rotor o piloto já estava com pouca velocidade e prejudicando, aumentando ainda mais os freios e sem velocidade suficiente para ter sustentação. Quando atinge o colapso o piloto freia o lado direito. A partir do momento em que a vela está totalmente freada o piloto perdeu o controle, já não é capaz de recuperar, precipitou-se e foi para o chão.

 

 

 

 Comando superior esquerdo de controle de freio, muito enrugada bordo de fuga prestes a entrar em colapso.

 

 O parapente perdeu pressao por exceso de freio e está voando para traz .

 

 

        Um fato importante é que desde que o parapente começou a subir até que tocou o solo, o piloto permaneceu o tempo todo com os freios à altura do ombro ou abaixo exemplo de excesso de controle! 

 

CONCLUSÕES:

 

          Este acidente, como muitos outros, é devido à soma de vários fatores, incluindo a falta de experiência do piloto (30 horas de voo), voando um parapente que, certamente, não era adequado para seu nível (EN B / LTF 1-2), a condição de voo era térmico e não tinha experiência de vôo em tais condições, um erro na escolha da direção de pouso e controle sobre o parapente fez acabar em colapso por excesso de freio.

 

 

Please reload

Últimas Matérias

Lançar o segundo reserva ou não?

March 10, 2015

1/2
Please reload

Recentes

March 6, 2015

Please reload

Arquivos
Please reload

Pesquisa por assuntos
Please reload

Siga-Nos
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2019 Xfly escola de Parapente  Curitiba